A 03ª Seção do Superior Tribunal de Justiça (STJ), por unanimidade, definiu ser possível o benefício da detração no caso de cumprimento da medida cautelar de recolhimento domiciliar cumulada com fiscalização eletrônica. Segundo o art. 42 do Código Penal, é permitido descontar da pena privativa de liberdade o tempo de prisão provisória cumprida no Brasil ou no exterior.

Embora o recolhimento domiciliar noturno e nos dias de folga, juntamente com o uso de tornozeleira eletrônica, previstos no art. 319, V e IX do Código de Processo Penal (CPP), não constituam pena privativa de liberdade, as limitações a que a pessoa fica submetida se assemelham ao cumprimento de pena em regime prisional semiaberto.

“Interpretar a legislação que regula a detração de forma que favoreça o sentenciado harmoniza-se com o princípio da humanidade, que impõe ao juiz da execução penal a especial percepção da pessoa presa como sujeito de direitos”, afirmou a relatora do processo, ministra Laurita Vaz.

Por sugestão do ministro Rogerio Schietti Cruz – que alertou para o fato de que o recolhimento noturno, diferentemente da prisão preventiva, tem restrições pontuais ao direito de liberdade – a seção decidiu que o cálculo da detração considerará a soma da quantidade de horas efetivas de recolhimento domiciliar com monitoração eletrônica, as quais serão convertidas em dias para o desconto da pena.

Assim, o tempo a ser aferido para fins de detração é somente aquele em que o acautelado se encontra obrigatoriamente recolhido em casa, não sendo computado o período em que lhe é permitido sair.

Mesma Razão, Mesma Regra.

Ao proferir seu voto, a relatora destacou que impedir a detração no caso de apenado que foi submetido às cautelares de recolhimento domiciliar noturno e em dias não úteis e monitoração eletrônica significaria sujeitá-lo a excesso de execução, “em razão da limitação objetiva à liberdade concretizada pela referida medida”.

Para a ministra, a medida cautelar, que impede o indivíduo de sair de casa após o anoitecer e em dias não úteis, tem efeito semelhante ao do regime semiaberto, pois o obriga a se recolher. “Onde existe a mesma razão fundamental, aplica-se a mesma regra jurídica”, afirmou.

A magistrada lembrou ainda que a jurisprudência do STJ admite, quando presentes os requisitos do art. 312 do CPP, que a condenação em regime semiaberto produza efeitos antes do trânsito em julgado da sentença. Dessa forma, ponderou que seria “incoerente” impedir que o recolhimento domiciliar com fiscalização eletrônica – o qual pressupõe a saída de casa apenas durante o dia e para trabalhar – fosse descontado da pena.

Além disso, a relatora salientou que, conforme orientação sedimentada na 05ª Turma do STJ, as hipóteses do art. 42 do Código Penal não são taxativas, motivo pelo qual não há violação do princípio da legalidade.

Do Advogado Especializado.

É bastante comum o cliente já ter um advogado no qual confie ou até um advogado próximo, mas é muito importante a escolha de um profissional especializado para atuar em seu favor, ressaltando sempre a segurança e a capacidade técnica.

A segurança se resume na transparência no atendimento e na possibilidade de optar por um escritório de advocacia o qual é integrado por vários advogados, com diversas especialidades e capazes de atender questões diversas e não apenas uma questão única.

A respeito da capacidade técnica, para escolher o melhor advogado (ou o melhor escritório de advocacia) para você, observe se aquele profissional (ou escritório) já possui êxito em ações judiciais semelhantes ao seu pedido.

Informativo de Conteúdo Jurídico.
Fonte: www.stj.jus.br, em 22.04.2021.
HC 455097/PR
Endereço Eletrônico: contato@targinomaia.com.br